segunda-feira, 27 de outubro de 2014

5 ANOS DE UMA SAUDADE "ABSURDA". TIDE NOSSA ETERNA CIDADÃ



O Bloco Carnavalesco Unidos do Morro do Céu Divulga seu Enredo e Sinopse para o Carnaval de 2015.


5 ANOS DE UMA SAUDADE "ABSURDA" TIDE NOSSA ETERNA CIDADÃ
‘’A saudade é o amor que fica depois da partida’’.
Numa das mais belas definições de saudade, palavra que foi criada pelo povo brasileiro tendo significado único e sem traduções nas demais línguas. Nossa homenageada em 2015 também era uma pessoa ímpar, espetacular e dentre vários adjetivos desse sentido também "Absurda". Erotides Elena da Silva a Nega Tide nasceu em 1945 no Morro do Céu, em uma época muito difícil. Como a própria gostava de relatar aos amigos, chegou a comer folhas de pitanga para enganar a fome. Morava em uma casa pequena de três cômodos com mais oito parentes, muito cedo teve que largar os estudos para ajudar no sustento da família, mesmo assim nunca se deixou abater. Vinda de uma família de grande representatividade na comunidade, sobrinha do grande pai de santo o Jaqueta e do craque Nelinho, aos 10 anos em 1955 foi quando se encontrou pela primeira vez com aquele que foi o grande amor da sua vida, o carnaval. Diferente do que muitos pensam, sua estreia foi na extinta Escola Alvin Barbosa do Morro do Céu. Depois passou a brilhar também na ala das crianças da Escola de Samba Os Protegidos da Princesa. Nesse mesmo ano, nascia a co-irmã Embaixada Copa Lord. Campeã já em sua estreia e onde Tide desfilaria até o seu último carnaval. No ano seguinte aos 11, anos já coordenava a ala das crianças dos Protegidos da Princesa e aos 24 era convidada para os bailes carnavalesco da cidade como do Lira Tênis Clube e do 12 de Agosto, bailes esses frequentados apenas pela alta sociedade branca da cidade. 1960 época essa que Florianópolis tinha cerca de, 72 mil habitantes com uma pequena minoria composta por negros, nossa heroína já derrubava as barreiras e os preconceitos impostos pela sociedade. Aberto pela primeira vez o concurso para Cidadã Samba pela prefeitura da capital. Com todo seu jeito de ser de " Nega cheguei " e desbancando todos os conceitos, Tide venceu e fez as fronteiras se abrirem consagrando se como a primeira cidadã Negra da cidade. Por motivos pessoais em 1969 Tide deixou os Protegidos da Princesa e foi brilhar na Embaixada Copa Lord, segunda a mesma relatou a Dona Uda Gonzaga em sua casa no Morro da Caixa alegando ter por motivo um pequeno desentendimento. Na ocasião Tide chegou toda espalhafatosa e com seu estilo único gesticulando e de voz alta.
- Gonzaga me arruma um lugar pra mim no Copa Lord, pois agora resolvi ser filha da Copa Lord.Com todo seu carisma e prontamente atendida em suas vontades, ela mesmo escolhia como e onde desfilaria, na amarelo, vermelho e branco do Morro da Caixa. Às vezes, mesmo contra sua vontade e por seu destaque na folia, colocavam Tide nos mais altos lugares de destaques como nos altos de carros alegóricos. Contrariando a mesma, pois sua paixão pelo samba e preferência absoluta era sair no chão, sambando muito. E foi com muito samba no pé, muita ginga, beleza e intensidade que ela construiu seu nome Nega Tide, quebrando paradigmas e preconceitos. Transformando o termo Nega para um adjetivo positivo, de destaque, carinhoso e de respeito, sendo a primeira mulher a conquistar por 6 vezes o título de Cidadã Samba e a melhor sambista de Florianópolis. Foi nomeada a eterna rainha do Berbigão do Boca, o maior e mais tradicional bloco da folia manezinha. Recebeu o título de hors concours mesmo antes de participar dos concursos. Durante anos a frente da bateria e por todo extenso do bloco brilhou soberana. Após sua partida se traçou uma verdadeira luta pra torna nossa eterna "Absurda" em figura de maior destaque como boneco ou maricota como aqui se chamam. A pedido da mesma para seu filho André, Tide era contra virar boneco do Berbigão, mais por toda sua história e representatividade não só para o bloco mais para todo cidade e carnaval, André em uma sábia decisão se sensibilizou e imortalizou nossa eterna Cidadã como Boneca nesse hall das estrelas da cidade. Pois não dá para falar de carnaval de Florianópolis sem falar na Nega Tide. Era destaque aonde tivesse samba, Praça XV, seja na Paulo Fontes ou na Passarela. Ela era a porta estandarte da cidade e quem levava o morro até asfalto e fazia o pessoal do asfalto subir o morro. Na Praça XV com seu samba no pé era um toque especial dos seus saltos nos paralelepípedos com som e cadência das baterias, sendo uma atração a parte. Na Paulo Fontes brilhou como ninguém dominando a capacidade de fazer arte com a ginga do corpo e na própria Passarela foi onde teve o auge na carreira.Como a própria descrevia sua maior emoção foi ao desfilar em 1979 grávida, de seu único filho André juntando suas maiores paixões num momento mágico. E na mesma passarela foi eternizada ao lado do Nego Quirido dando o nome da nova ala construída em um prédio imponente onde abriga os camarotes das autoridades e personalidades. Como pessoa era inconfundível, em casa, na rua ou no trabalho sempre do mesmo jeito extrovertida, positiva e radiante. Sem sombra de dúvida amava a vida. E foi com o seu carisma que contagiou o Governador Antonio Carlos Konder Reis quando estava internado no Hospital e se deparou com aquela figura extraordinária que trabalhava cantando. Não tendo dúvidas o Governador levou Tide para iluminar o palácio do governo. Como mulher foi uma guerreira sempre a frente do seu tempo, não se importando com as barreiras. Desbravou suas fronteiras sempre com sua personalidade forte e muito caráter, esse seu carisma a legitimou ser representante do seu povo junto aos políticos, tendo acesso livre a gabinetes e a toda repartição onde entrava. Candidatou-se por duas vezes pelo PMDB. Uma militante exemplar. E foi a voz do morro e dos menos favorecidos conseguindo Iluminação, água, melhorias, empregos e até caixão para a comunidade e os seus. Ajudava e se dava bem com todos desde o alto escalão da sociedade ao povo, engraxate, taxista dando o mesmo tratamento a ambos.
Como mãe era um exemplo. Protetora, carinhosa, amiga, confidente não apenas de seu filho único mais de seus netos também. Seu instinto matriarca se estendia as fronteiras da família. Ela cuidava e queria o bem a todos, não media esforços para ajudar os conhecidos e até desconhecidos que batiam em sua porta. Já em uma passagem com seu filho André, Tide era completamente contra tatuagens e proibiu o mesmo de fazer com pena de não lhe ajudar e dar dinheiro nunca mais. André com o coração e o gênio herdado da nossa guerreira tatuou. Absurda em letras grandiosas nas costas. Quando Tide se deparou com tal feito perguntou:
- Quem é essa tal de Absurda? 
- André então respondeu.
- Minha mãe é a Absurda. 
Desbancando e emocionando nossa musa com tal homenagem. 

Outro grande destaque eram as constantes festas da Nega Tide para comemorar a vida. muita gente famosa e do samba subia o morro para festejar seu aniversário e as demais datas. Sempre regadas a muito samba, bebida, farta e deliciosa comida. Isso porque nossa eterna era uma exímia cozinheira reconhecida em toda cidade. Com o sucesso das festas logo sua casa ficara pequena para acolher os amigos. Foi então que a mesma teve a idéia e começou a comemorar em uma festa fechada de muito sucesso a Rabada da Nega Tide, que nos seus 60 anos, com um público de mais de 800 pessoas entrou definitivo para o calendário cultural das festas da ilha.
Diva, de uma beleza exuberante muito bem distribuído nos seu 1.82 de altura com a cor do ébano e da noite. Tide sempre despertou muitos desejos e sonhos dos homens da cidade. Era símbolo da beleza negra, com toda sua elegância, porte e ainda com o diferencial de não ter papas na língua. Sempre se posicionando de acordo com sua opinião doa a quem doer.Com o nascimento do Bloco Unidos do Morro do Céu em 2009, Tide seria escolhida para ser a madrinha do Pavilhão de sua Comunidade. A mesma aceitou e teve presente na primeira festa do Unidos do Morro do Céu mesmo já um pouco debilitada devido ao tratamento. Que descoberto após uma torção, diagnosticado um tumor em seu pé. Nossa guerreira sempre intensa e dona de uma força de vida única não se entregava. Fazendo dessa mais uma barreira a ser superada como tantas outras. Primeiro lutou contra a fome, depois contra o preconceito pelas mulheres negras, pobres e do morro e por fim contra um câncer. Guerreira, lutadora e um exemplo de pessoa, acabou nos deixando em 11 de janeiro de 2010. Onde deixou órfã toda uma geração além de seus parentes. Em seu enterro como manda o figurino de grandes estrelas do samba foi cantado "Não deixe o Samba Morrer." Uma de suas músicas favoritas.
É com essa brilhante pessoa e história, que o Bloco Unidos do Morro do Céu vai celebrar o seu carnaval de 2015, sempre presente nas letras de samba da agremiação, ou em homenagens. Nossa Eterna Madrinha será lembrada. Cantaremos Nega Tide e seus ensinamentos, faremos da nossa eterna madrinha e diva uma lenda no palco principal da sua vida.
O carnaval!



terça-feira, 3 de junho de 2014

DESFILE 2014